Se todos os dias usamos as palavras para conversar, ler e escrever, então, porque raros são os dias em que não há atropelos na gramática? Os erros são tão antigos como as próprias línguas e ninguém – nem mesmo os revisores e os linguistas – está livre de os cometer.

Em muitos casos, o grande culpado nem somos nós. É o cérebro que armazena as palavras em famílias em vez de as convocar uma a uma na hora de redigir um texto ou um email. É um método que ele usa para poupar energia, mas acaba por criar hábitos e padrões que depois levam aos enganos. Os erros gramaticais ou ortográficos, por regra, não acontecem por ignorância ou estupidez, avisam os cientistas.

Escrever é uma tarefa altamente qualificada. E, como todas as grandes empreitadas, o cérebro automatiza as partes simples – como transformar letras em palavras e palavras em frases – para se concentrar em tarefas difíceis – como combinar frases e encadear ideias. Ao sermos também propensos a prestar mais atenção à pronúncia das palavras – afinal, é o que que dá as melhores pistas sobre como escrevê-las –, deixamos escapar a grafia, que nem sempre corresponde ao som.

Nada disso é motivo para desculpar os nossos erros. Muito pelo contrário.

Sabendo que o nosso cérebro é tão traiçoeiro como a nossa língua, teremos sempre de redobrar a atenção para não sermos enganados ou enganadas. Ler e reler o que se escreve é uma das principais formas de corrigir as falhas. A outra é ler muito e treinar bastante a escrita. Os Bichos no sótão, atrevidos como são, revisitaram algumas das calinadas, que apesar de antigas, estão sempre a acontecer. Entra neste jogo para começares já a praticar.

Ovelha ranhosa ou ovelha ronhosa?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Ovelha ronhosa. O adjetivo ronhoso vem de ronha, doença parecida com sarna que ataca alguns animais. Uma ovelha com esta doença tem de ser afastada do rebanho para evitar o contágio. A expressão ovelha ronhosa, em sentido figurado, significa que alguém não é bem-vindo num grupo de colegas, amigos ou família.

Copo de água ou copo com água?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Copo de água, por favor! Tal como não se diz lata com tinta ou colher com açúcar, também não se diz copo com água. Aqui a preposição «de» liga um recipiente ao seu conteúdo.

Quero ou queria?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Ambos! Os tempos verbais têm muitos usos e até podem ser empregados no presente para dizer «queria um copo de água, por favor». O uso do pretérito imperfeito demonstra nestes casos a intenção de se ser cordial para com o outro.

Fazer a barba ou cortar a barba?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Fazer a barba. A lógica do pensamento nem sempre está na mesma sintonia da língua. Lá porque se está a tirar alguma coisa não quer dizer que não possamos usar o verbo fazer. Este é um dos muitos casos em que a lógica não é para aqui chamada, tal como lugares sentados (nos transportes públicos), apanhar uma constipação (a constipação é que nos apanha) ou tirar um mestrado.

Com certeza ou concerteza?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Com certeza, pois com certeza! Estamos perante duas palavras que, apesar de surgirem sempre juntas, devem estar separadas. Também não escrevemos «semdúvida», pois não?

Quaisqueres ou quaisquer?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
O plural de qualquer é quaisquer. Qualquer é formado a partir do pronome qual e do elemento invariável quer.

Havia ou haviam?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Havia. Este verbo não gosta, nunca gostou, nem nunca irá gostar do plural.

Há muito tempo atrás ou há muito tempo?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Há muito tempo. Se aconteceu há muito tempo, escusado será dizer «há muito tempo atrás». Tem que ver com o significado de “haver” decorrido “tempo”, o que, necessariamente, implica uma acção já decorrida. Logo, implicitamente a mesma ficou “atrás”. «Não estou com o Miguel há duas semanas». «Há duas semanas que não vejo o Miguel».

Destrocar ou trocar?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Trocar. Aqui nem é preciso pensar muito. Se queremos trocar algo, então «destrocar» é desfazer a troca que queríamos fazer inicialmente. Mas o português tem destas delícias inofensivas. Se implicarmos com o destrocar, também teremos de implicar com o «desandar».

Bébé ou bebé?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Bebé é adaptação do francês «bébé». Mas, durante a viagem, perdeu um acento, visto tratar-se de uma palavra aguda (com acento tónico na última sílaba). De resto, a língua portuguesa não aceita dois acentos gráficos na mesma palavra. O til não é considerado um acento, mas uma marca para indicar as vogais nasais (órfão, acórdão, bênção, sótão, entre outros).

CD ou CDs?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
CD é uma sigla que resulta das iniciais compact disc. E as siglas não têm plural. Tal como dizemos muitos CD, também devemos dizer, por exemplo, «várias ONG», «os PALOP» ou «as PME».

Peru ou Perú?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Peru. As palavras agudas terminadas em u – menu, cru ou tabu – não têm acentos.

À última da hora ou à última hora?

Não percas tempo e descobre já a resposta.
À última hora. Se não dizemos «no último do instante» ou no «último do minuto» porquê dizer então à «ultima da hora»?

Táxi ou taxi?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Táxi. Tratando-se de uma palavra grave (com acento tónico na penúltima sílaba) terminada em «i», leva um acento sobre a vogal «a».

Alugar uma casa ou arrendar uma casa?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Arrendar uma casa. Arrendar é um verbo que se emprega para bens imóveis (casas, apartamentos ou garagens). Alugar destina-se aos bens móveis (carros, barcos, fato de carnaval, entre outros).

Beje ou Bege?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Bege. Esta é mais uma palavra vinda do francês «beige», que perdeu o i, mas manteve o g.

Coco ou Côco?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Coco. O fruto do coqueiro não leva nenhum acento.

Penalti ou penálti?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Penálti. Todas as palavras graves terminadas em «i», «is» e «us» levam um acento agudo: júri, lápis ou vírus.

Quadriplicar ou quadruplicar?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Quadruplicar. Escreve-se com «u» na segunda sílaba de forma a respeitar a sua raiz latina (quadruplicare)

De mais ou demais?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Depende… De mais significa «a mais», exprime quantidade e opõe-se a «de menos». Demais é usado com o sentido de excessivamente, demasiadamente. Exemplos: «O bolo de chocolate tem açúcar de mais para o meu paladar». «Sebastião é gordo porque come demais».

Duzentas gramas ou duzentos gramas?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Duzentos gramas. Lá porque a palavra grama acaba em «a», não quer dizer que seja do género feminino.

Fans ou fãs?

Carrega aqui, por favor, e descobre a resposta.
Fãs. A origem da palavra é inglesa: fan é uma abreviatura do adjetivo fanatic, que na transição para o português alterou o «an» para «ã».

Impor regras ou impôr regras?

Carrega na seta, por favor, e descobre a resposta.
Impor regras. Os verbos derivados do pôr não têm acentos: impor, compor, supor, entre outros.

Interviu ou interveio?

Descobre aqui como o verbo intervir é dos mais tramados.
Interveio. O verbo «intervir» deriva do verbo «vir» e, como tal, deve seguir a conjugação deste verbo e não a do verbo ver. «Eu intervim», «tu intervieste», «ele  interveio» e por aí fora. Já agora, o particípio passado do verbo intervir é intervindo: «Depois de eu ter intervindo, ele interveio».

Pais natal ou Pais natais?

Muitas vezes, é preciso errar para aprender.
Pais natais. Pai Natal há só um. Os restantes são cópias que, no plural, devem ser tratados como pais natais, tal como o plural de terra natal é terras natais e de decreto-lei é decretos-leis.

Koala ou Coala?

Se calhar, já sabes esta resposta, mas carrega aqui para confirmar.
Coala. A palavra é originalmente inglesa, mas na adaptação para o português, o «k» foi substituído pelo «c».

Magestade ou Majestade?

A resposta está aqui.
Seguindo a tradição latina desta palavra, escreve-se majestade.

Melhor preparado ou mais bem preparado?

Quem nesta setinha carregar, a resposta vai encontrar.
«Melhor» é comparativo de «bom» e «mais bem» é comparativo de «bem». Recomenda-se, portanto, dizer «mais bem preparado», «mais bem-fadado», «mais bem-feito» ou «mais bem-parecido» ou então «Está melhor?», «Ela fica melhor de cabelo curto» ou «É melhor parar por aqui».

Obrigado ou obrigada?

Carrega! É mesmo aqui que está a resposta.
Obrigado para ele e obrigada para ela. Usar obrigado ou obrigada depende se é um homem/rapaz ou uma mulher/rapariga a agradecer, tal como grato ou grata.

A mascote ou o mascote?

Adivinha onde tens de carregar para confirmar a resposta?
A mascote. A palavra é do género feminino.

O téni ou o ténis?

Sim, é mesmo aqui que se carrega.
O ténis. Seja para designar a modalidade desportiva ou para o calçado é sempre ténis – no plural ou no singular.

Mídia, média ou media?

Se ainda não sabes o que fazer para saber a resposta, andas muito distraído.
Media. Apesar da vogal «e» aberta, a palavra não é acentuada para respeitar a grafia e a fonia originais do latim.

Pionés, pioné ou pioneses?

Nesta fase, já saberás o que fazer para descobrir a resposta…
O plural de pionés é pioneses.

Pólo Norte ou Polo Norte?

E, pronto, carrega aqui pela última vez.
Polo Norte. Em Portugal, as expressões para designar as extremidades do eixo imaginário em torno do qual a terra faz o movimento de rotação, escrevem-se com as iniciais maiúsculas e sem acentos: Polo Norte e Polo Sul, conforme o Acordo Ortográfico.