Se pudéssemos ver as quantidades monstruosas de bactérias que vivem connosco, não conseguiríamos mais pregar o olho à noite. As estimativas apontam entre duas a dez células bacterianas para cada célula humana. Feitas as contas, há cerca de 100 triliões de microrganismos e todos juntos formam o microbioma humano.

Felizmente, as bactérias são tão minúsculas que nem nos damos conta do gigante trabalho que fazem pela nossa saúde. Qualquer parte exterior ou interior do nosso corpo é um bom lugar para elas morarem, mas o trato digestivo é onde se sentem em casa. O percurso entre a boca e o final do intestino é a zona mais valorizada, uma espécie de bairro de luxo com moradias à beira da praia, onde todas sonham viver.

Mas lá por terem, regra geral, as mesmas preferências, não significa que sejam todas iguais. Cada comunidade tem a sua própria identidade. Os traços de personalidade da microbiota – colónias de bactérias que habitam o nosso corpo – estão muito dependentes da nossa alimentação ou dos restos de comida que chegam ao intestino e que são a sua principal fonte de energia. Daí as suas características variarem de pessoa para pessoa.

🍔 Se a carne é a base da tua dieta, a tua microbiota será muito diferente da de quem come saladas e legumes. 🥗

Mas, como são cada vez menos os humanos que gostam de sopas e verduras e cada vez mais os que se empanturram de pizzas, hambúrgueres, batatas fritas e outros alimentos processados, os microbiomas têm vindo a ficar todos muito parecidos.

O uso abusivo dos antibióticos também tem contribuído para acabar com a diversidade de espécies de bactérias e essa é mais uma razão para a Universidade Rutgers, nos Estados Unidos, querer construir na Noruega ou na Suíça – ainda não há uma decisão sobre o local – um celeiro para armazenar coleções de bactérias vindas de todo o mundo.

Um celeiro para guardar bactérias raras

bactérias

Arca de Noé microbiana é uma gigantesca operação para guardar amostras de bactérias antes que elas desapareçam.

O projeto, conhecido como Arca de Noé microbiana ou Microbiota Vault, destina-se a preservar a diversidade das bactérias, esperando-se que possam vir a ser úteis para proteger a saúde das futuras gerações. A operação envolve investigadores de todo o mundo, Portugal incluído, e ainda uma rede de colaboradores que irá estar mais concentrada em recolher amostras junto dos povos indígenas que, graças à sua alimentação rica em fibras e vegetais, demostraram ter as microbiotas mais diversificadas de todo o planeta.

E por que é importante preservar a diversidade destes microrganismos? Em primeiro lugar, quanto mais variada são as colónias de bactérias, mais chances tem o nosso corpo de combater as outras bactérias que invadem o nosso organismo, provocando doenças e infeções. A microbiota tem uma relação muito forte com o nosso metabolismo, ajudando o sistema imunitário, a digestão, estimulando a produção de hormonas ou de vasos sanguíneos ao redor do intestino, entre muitas outras funções.

Entre os inúmeros benefícios destaque-se também a capacidade delas para decompor a fibra dos vegetais, permitindo ao nosso organismo produzir vitaminas e compostos essenciais para assegurar uma nutrição saudável. Essas comunidades são, por isso, a primeira e a mais importante linha de defesa para o nosso sistema imunológico criar barreiras contra invasões de bactérias patogénicas (ou causadoras de doenças).

Uma floresta bem cuidada e robusta

bactérias

Quanto mais diversificadas forem as colónias de bactérias, mais preparadas estão para combater as doenças.

Karina Xavier, do Instituto Gulbenkian de Ciência, é uma das maiores especialistas mundiais em bactérias e costuma descrever a microbiota como uma grande e densa floresta. Quanto mais diversificada ela for, mais robusta se torna às invasões e maior será a sua capacidade para se recuperar após um ataque.

Tal como uma comunidade diversificada de bactérias é o melhor trunfo para defender-nos de invasores, também uma floresta resiste e regenera-se muito mais depressa a um incêndio se tiver uma grande variedade de espécies – carvalhos, sobreiros, freixos ou alfarrobeiras – e não apenas eucaliptos e pinheiros.

Por todos os motivos, cuidem muito bem das florestas de bactérias que vivem convosco para que também elas estejam sempre em alerta e prontas para vos proteger. Em ciência, a cooperação entre dois ou mais organismos tem o nome de relação simbiótica – humanos e bactérias esforçam-se para oferecer o melhor de si à outra parte. O Bicho-que-Morde, que não é propriamente um cientista, chamaria a isso Amor 💕 Verdadeiro!

7 perguntas essenciais para fazer a uma bactéria

bactérias

Quem és tu?

Sou um organismo unicelular, significa que tenho uma única célula, mas é o que basta para desempenhar todas as funções necessárias à minha sobrevivência.

Em quantos grupos se dividem vocês?

Consoante as nossas formas básicas, podemos ser classificadas em cinco grupos: esférica (cocos), bastonetes (bacilos), espiral (espirila), vírgula (vibrios) ou saca-rolhas (espiroquetas).

Como é que se organizam?

Geralmente em cadeias ou em cachos (clusters), mas algumas gostam de viver em pares ou mesmo sozinhas.

Onde vivem?

Estamos em todos os habitats da Terra: solos, rochas, oceanos e até na neve ártica. Algumas de nós gostam de viver sobre ou dentro de outros organismos, como plantas, animais e humanos.

Por que devemos ter cuidado com os antibióticos?

Os antibióticos combatem as infeções bacterianas, mas o seu uso em excesso ou sem prescrição médica pode acelerar o desenvolvimento de bactérias multirresistentes e modificar — talvez irreversivelmente — as boas bactérias (conhecidas como comensais) que vivem no organismo humano. As experiências têm mostrado que os antibióticos interferem na composição da flora intestinal — quantidade e variedade — e que, mesmo depois de se parar a toma dos medicamentos, a microbiota não recupera totalmente. As superbactérias ou bactérias multirresistentes são estudadas desde o século 19 e o que se constatou é que, com o passar do tempo, elas se têm tornado cada vez mais resistentes aos antibióticos.

Quantas espécies de bactérias vivem no corpo humano?

Somos mais de 10 mil espécies diferentes de bactérias a viver no organismo humano e em lugares tão incríveis como a boca (700 espécies), a flora intestinal (1000 espécies) ou a pele (1000 espécies). Antes sequer de esboçares uma careta de nojo, lembra-te que não somos parasitas e que, sem nós, a tua vida seria muito complicada – a minha existência, diga-se de passagem, também não seria possível sem ti.

Vê em baixo alguns exemplos de boas bactérias.

bactérias

Quantas espécies nocivas  de microrganismos (patogénicos) são conhecidas?

Existem cerca de 1400 espécies conhecidas de microrganismos capazes de provocar doenças aos humanos (incluindo vírus, bactérias, fungos, protozoários e helmintos). Embora possa parecer um grande número, os patógenos humanos representam menos de 1% do número total de espécies de microrganismos identificados no planeta.

Vê em baixo algumas das bactérias nocivas para a saúde humana.

bactérias

👨‍🔬 Se gostas de coscuvilhar sobre a vida dos microrganismos, lê também estes dois artigos:

Quantos vírus há na terra (além do coronavírus 2, claro)?

Quanto tempo demora uma ferida a cicatrizar?