BICHOS NO SÓTÃO

InicioBICHOS NO SÓTÃO

Os livros que derrotaram a censura

Quanto alguém, do alto da sua ignorância, proibe um ou mais livros, mais ganas têm as pessoas de os ler. Não irias também a correr lê-los?

Trava-línguas. Depressa tareca e sem tropeçar!

Atrevidas e traiçoeiras são as trava-línguas. De tanto se repetirem, sem lhes atribuir autoria, passaram a ser de todos e de ninguém.

10 animais lendários que nunca esqueceremos

Estes são os animais lendários – alguns ainda vivos - que tocaram fundo o coração dos humanos.

A árvore da minha terra

Quem tem uma árvore centenária tem tudo. Estas são algumas (só algumas!) que enchem de orgulho as terras portuguesas.

Mbube! Mbube! As brincadeiras das crianças em Africa

Pedrinhas, latas velhas, galhos ou trapos bastam para as brincadeiras das crianças em África provocarem gargalhadas e muita adrenalina.

A República que o povo tomou nas ruas

Há 110 anos, no dia 5 de outubro de 1910, o povo agarrou nas armas, venceu as tropas monárquicas e proclamou a República.

A arte esquecida de ler os sinais da natureza

Aproveita o verão para prestar atenção aos sinais da natureza. As plantas e os animais dão-nos pistas sobre a hora, o local ou a temperatura do nosso planeta.

Mezinhas. Remédios de salsa e água fresca

Nas aldeias, lugares onde o progresso demora sempre a chegar, era mais fácil confiar sabedoria popular do que contar com a ajuda de um médico.

Os nomes esquecidos também merecem ser lembrados

Anacleto, Bonifácia ou Etelvina: quem ouve esses nomes uma vez, não se esquece mais deles. Só por isso, não irão desaparecer.

O 1º Dia Mundial da Criança foi há 70 anos

O Dia Mundial da Criança é para festejar. Mas não fiquemos só pelos festejos. A batalha vai continuar. Esta é uma missão para gente de todos os tamanhos.

Os Cinco: a aventura continua!

Há 78 anos, em maio de 1942, a escritora inglesa Enid Blyton publicou os «Cinco na Ilha do Tesouro». Foi nessa data que ficámos...

O carteiro trouxe uma carta para ti

Muitas vezes – quantas vezes – a carta serve para dizer a quem está do outro lado que nada os irá separar. Aconteça o que acontecer.

A não perder