ENCICLOPÉDIA DOS PORQUÊS

Inicio ENCICLOPÉDIA DOS PORQUÊS

Porque são malcriados os condutores?

Os automobilistas são piores que crianças mimadas. Esquecem-se do pisca, furam filas, aceleram ou roubam lugares de estacionamento.

Porque não vemos o que está à frente do nariz?

No dia-a-dia, as pequenas coisas passam ao lado. Repetimos os mesmos gestos, as mesmas palavras e os mesmos caminhos.

Porque dão os esquimós beijinhos com o nariz?

A saudação com o nariz é só um entre os muitos costumes que permitiram a este povo sobreviver nas terras mais frias do planeta.

Porque é a natureza (quase) toda simétrica?

A simetria é a regra que rege o Universo, mas o que foge à regra é o que provoca a mudança. Lembremo-nos disso quando nos deparamos com a diferença.

Porque são os burros tão casmurros?

Somos apressados a criticar o burro, sem parar para pensar que ele pode ter os seus motivos para se recusar a fazer tudo o que o dono quer.

Porque são tão gordos os lutadores de sumo?

A resposta até é simples. Mais misteriosa é esta prática milenar que revela muito sobre a cultura do Japão.

Porquê uma Convenção dos Direitos da Criança?

Descobre as invenções que, a partir do nada, levaram luz, água limpa ou abrigo aos lugares mais pobres do planeta.

Porque há coisas nojentas a saírem do corpo?

Quem não tem estômago para maus cheiros e secreções pestilentas, fica desde já avisado: este texto é uma nojeira do princípio ao fim.

Porque tem o corpo humano partes inúteis?

Há órgãos que não servem para nada, mas já foram importantes para ajudar os nossos antepassados a enfrentar perigos da natureza.

Porque gostam os abutres de cadáveres?

Não tendo garras fortes e afiadas para caçar, os abutres tornaram-se peritos em encontrar animais mortos.

Porque são os pigmeus baixinhos?

Os pigmeus são dos povos mais antigos da Terra, mas permanecem um mistério para os cientistas.

Porque há engarrafamentos sem causa nenhuma?

Se não há acidente nem obras por perto, porque estão os carros parados? A cena é tão frequente que até tem nome : engarrafamentos-fantasmas.

A não perder

O design português que fica na memória

O Bicho-Que-Morde selecionou 14 peças do design português que povoam o nosso quotidiano. Bom… Um deles não é português. Mas é como se fosse.

Porque há feitios tão diferentes?

Agora que estamos quase todo o tempo em casa, é bem provável que os feitios de cada um saltem mais à vista. Ou é...

Dia das mentiras. As tretas em que ainda acreditamos

Há muitos enganos repetidos todos os dias como se fossem verdade. É tão estranho como uma ideia feita, por mais que desmentida com argumentos...

Quantos animais passeiam nas nossas cidades desertas?

Com os moradores enfiados em casa, há relatos a chegar de todos os cantos do planeta de animais selvagens a visitarem as cidades .

Telescola. O professor da TV chegou à aldeia

Durante quatro décadas, os professores da Telescola levaram o 5.º e o 6.º anos a meio milhão de alunos que nunca pensaram ir além da 4ª classe.