ENCICLOPÉDIA DOS PORQUÊS

Inicio ENCICLOPÉDIA DOS PORQUÊS

Porque são tão gordos os lutadores de sumo?

A resposta até é simples. Mais misteriosa é esta prática milenar que revela muito sobre a cultura do Japão.

Porquê uma Convenção dos Direitos da Criança?

Descobre as invenções que, a partir do nada, levaram luz, água limpa ou abrigo aos lugares mais pobres do planeta.

Porque há coisas nojentas a saírem do corpo?

Quem não tem estômago para maus cheiros e secreções pestilentas, fica desde já avisado: este texto é uma nojeira do princípio ao fim.

Porque é que as zebras têm riscas?

Há pelo menos 18 teorias para explicar as riscas das zebras. Nenhuma reúne o consenso da comunidade científica.

Porque tem o corpo humano partes inúteis?

Há órgãos que não servem para nada, mas já foram importantes para ajudar os nossos antepassados a enfrentar perigos da natureza.

Porque gostam os abutres de cadáveres?

Não tendo garras fortes e afiadas para caçar, os abutres tornaram-se peritos em encontrar animais mortos.

Porque são os pigmeus baixinhos?

Os pigmeus são dos povos mais antigos da Terra, mas permanecem um mistério para os cientistas.

Porque há engarrafamentos sem causa nenhuma?

Se não há acidente nem obras por perto, porque estão os carros parados? A cena é tão frequente que até tem nome : engarrafamentos-fantasmas.

Porque cheiram tão bem os livros?

É difícil chegar a uma única resposta pois os aromas variam de livro para livro.

A não perder

A vida portuguesa ilustrada a preto e branco

Façam de conta que estão num café antigo – o Majestic do Porto, o Santa Cruz, em Coimbra, ou o Vianna de Braga. Sentados...

Porque são malcriados os condutores?

Os automobilistas piores que crianças mimadas. Esquecem-se do pisca, furam filas, aceleram ou roubam lugares de estacionamento.

Quantos amigos conseguimos ter?

A pergunta põe-nos a pensar quantos e quem são os nossos amigos. Haverá, talvez, um ou mais gabarolas a dizer que são uns 300,...

Ninguém resiste a uma frase orelhuda

As frases quando são orelhudas quebram todas as regras gramaticais e entram logo nas conversas do quotidiano.

Bill Watterson. Três quadrados fora da caixa

Todas as manhãs, durante uma década, Bill Watterson contou uma história em três ou quatro quadrados para pensar fora da caixa.