Estão nas ruas, nos supermercados, nas montras das lojas, nas salas de estar ou nas cozinhas. Mas, por serem utensílios do dia a dia, são também dos mais esquecidos. Nem reparamos nas suas formas, cores ou tamanhos. O Bicho-Que-Morde selecionou 14 peças do design português que povoam o nosso quotidiano. Bom…Uma delas não é propriamente portuguesa. Mas é como se fosse. Descubram qual é.

Bola de vento para microfone

O nariz que capta sons

Uma bolinha de espuma a fazer lembrar um focinho de cão – ou um nariz de palhaço, no caso de ser vermelha – é o objeto de design português mais mediático de todos os tempos. Quem o inventou foi um engenheiro português, que durante muitos anos foi funcionário da RTP. O seu nome é Jaime Filipe (1922-1992) e, além da bola de vento para microfones, foi o autor de outras invenções, bem mais complicadas, como a bengala eletrónica para cegos, o elevador de cadeira de rodas, a orquestrola (leitor de textos para cegos) ou o eletrovisor, sistema de visão táctil para cegos.

Sombrinha da Regina

A felicidade é um chapéu de chuva

Houve um tempo, algures entre as décadas de 1970 e 1980, em que era fácil fazer uma criança feliz. Bastava dar-lhe uma moeda e ela corria doida a comprar uma sombrinha de chocolate da Regina. Com um pauzinho colorido para colecionar no fim, a guloseima tinha ainda a grande vantagem de durar horas, se o guloso ou a gulosa gerisse com parcimónia as lambidelas. Fundada em 1928, a Regina atravessou, no final de 1980, tempos difíceis, interrompendo a produção na década seguinte. Em 2000, foi adquirida pela Imperial, que reeditou, logo nesse ano, os seus chocolates mais tradicionais, como é o caso da sombrinha.

Papel higiénico preto da Renova

De banal a objeto de culto

Foi ao ver os trapezistas do Circo du Solei, lá no alto, a rodopiarem como peões, em faixas pretas, que o presidente da Renova teve, há 20 anos, a ideia de lançar o papel higiénico preto. Demorou ainda alguns meses para Paulo Pereira da Silva quebrar a resistência do conselho de administração, mas, assim que o produto chegou aos supermercados, foi um acontecimento. Seguiram-se rolos azuis, laranjas, vermelhos ou verde-lima. Foi, porém, com o preto que o papel higiénico ganhou projeção mundial e estatuto de objeto de culto.

Cadeira Gonçalo

A arte de entortar o tubo

O protótipo foi criado pelo mestre serralheiro Gonçalo Rodrigues dos Santos, nos anos 1940, mas só viria a ser registado na década seguinte, com a designação de cadeira “modelo 7”. É evidente que nunca seria esse o nome a ficar. Desde o primeiro dia que a cadeira pertenceu ao seu criador. Foi ele quem a desenhou e a moldou, aperfeiçoando a técnica de dobrar o tubo em curvas perfeitas e com o mínimo de pontos de soldadura. Ainda hoje, o processo continua a ser feito à mão pelos artesãos da casa Arcalo. A cadeira Gonçalo, um dos ícones do design português, ainda hoje domina as esplanadas e os terraços portugueses, mas também lá fora, sobretudo no norte da Europa, nos Estados Unidos ou na Austrália.

 

Couves e andorinhas das Faianças das Caldas

Hortas à mesa e primavera na varanda

A história das andorinhas e das couves em cerâmica começou em 1884, quando Raphael Bordallo Pinheiro passou a dirigir o departamento técnico da Fábrica de Faiança das Caldas da Rainha. Mais do que perícia, o artista plástico – que foi também jornalista e professor – usou o humor das suas famosas caricaturas para decorar a loiça e retratar o espírito português. A fórmula foi tão bem-sucedida que as suas criações continuam a ser reproduzidas em pratos, terrinas, tijelas, chávenas e outros serviços de loiça que povoaram, durante décadas, as mesas portuguesas de lagostas, galos e repolhos, sem esquecer, obviamente, as andorinhas suspensas nas varandas e paredes.

O coração de Viana

Rendilhados de amor

Quando D. João VI nasceu, a 13 de maio de 1767, D. Maria I ficou tão aliviada por ter um filho varão que mandou de imediato fazer uma joia em ouro como símbolo da sua gratidão ao Sagrado Coração de Jesus. O tempo tratou depois de popularizar este ícone da arte filigrana portuguesa. O coração de Viana foi largamente reproduzido, não só na joalharia, como também nos lenços, toalhas de mesa e muitos outros tipos de têxteis. Embora seja sobretudo reivindicado pelas gentes de Viana do Castelo, o coração rendilhado de cornucópias é uma tradição de toda a região do Minho, com grande expressão nas oficinas artesanais de Gondomar ou da Póvoa do Lanhoso.

Poltrona Shell

Aninhar numa conchinha de bétula

Marco Sousa Santos apresentou, em 2009, a sua Poltrona Shell na bienal experimentadesign, em Lisboa e, logo ali, causou sensação. Pouco tempo depois, a cadeira, inspirada no formato de uma concha, viria a ser considerada pela revista holandesa «Frame» como uma das 59 peças-ícones do design contemporâneo. Feita de madeira de bétula finlandesa de contraplacado altamente resistente, a peça é montada à mão por carpinteiros de uma pequena fábrica de Sintra e é sobretudo procurada no estrangeiro – Espanha, França, Alemanha, Suíça, Holanda, Áustria, Austrália, Estados Unidos, Porto Rico, Coreia do Sul e Brasil.

Lápis Viarco

A tabuada na ponta dos dedos

Seis milhões e meio de lápis saem, todos os anos, da Viarco, em São João da Madeira. É muito lápis, mas uns destacam-se mais do que outros. É o caso do lápis da tabuada, que a tantas gerações de alunos aflitos já acudiu. Mas também de O Carpinteiro, do Olímpico bicolor, do Pastel ou do Cópia Violeta, usados no comércio e na indústria. E, claro, das caixas de lápis de cor, que tantas páginas, cadernos e desenhos infantis continuam a colorir. A Viarco nasceu em 1936, depois de Manoel Vieira Araújo adquirir a Portugália – Fábrica Portuguesa de Lápis, em Vila do Conde. O grafite é a principal matéria-prima, mas a combinação entre a argila e a madeira de cedro é que tornam este objeto tão distinto de todos os outros.

Famel

Mosquitos a zumbir na estrada

Não há um português, acima dos 50-60 anos, que não tenha tido uma motorizada Famel. É um exagero, há que reconhecer, mas foram mesmo muitos os que já tiveram uma moto da fábrica hoje abandonada em Águeda. Cheia de cromados, em vermelho e preto ou em outras cores vivas, elas circularam entre os anos 1960 e 1980, zumbindo como mosquitos nas estradas e anunciando a sua presença a dezenas de metros de distância. Muitos modelos ficaram na memória – o Foguete, o Foguetão, o Tri-carro, a Famel de Competição e, a mais lendária de todas, a Famel Xf17, com motor de 5 velocidades e muito cobiçada pelas oficinas de restauro.

O azulejo

Azul e branco sempre na moda

Os primeiros azulejos a chegar a Portugal vieram das oficinas de Sevilha, em 1498, diretamente para o Palácio Nacional de Sintra. D. Manuel I ficou deslumbrado com o brilho desta peça, mas é apenas no fim do século 18 que a primeira fábrica abre em Lisboa. Por essa altura, já o azul e branco estavam na moda, cobrindo fachadas de edifícios ou interiores de igrejas e casarões da nobreza. A combinação de cores é ela própria uma mistura da influência holandesa e da porcelana oriental. A partir do século 18, o azulejo deixa de ser privilégio dos ricos e entra nas casas da burguesia, substituindo os quadros e as tapeçarias. Mas só no século seguinte, a mecanização permite reduzir o custo e espalhar o seu uso pelas paisagens urbanas e rurais de Portugal.

Mules KOS de Luís Onofre

Luxo em saltos altos

Dos botins ao salto stiletto, até às sandálias Mules KOS em cetim vermelho ou preto, qualquer que seja, o calçado criado por Luís Onofre será sempre uma peça de design cobiçada pelas mulheres. Só que não é para todas as carteiras. Alguns pares oscilam entre os 200 e os 300 euros, mas o preço não é impedimento para as celebridades como Penélope Cruz, Naomi Watts, Paris Hilton, a rainha Letizia de Espanha ou a antiga primeira-dama americana Michelle Obama. Todas elas têm em casa vários pares de sapatos deste designer de Oliveira de Azeméis. A fábrica, também ali localizada, é uma herança da avó, que ele agarrou e pôs a laborar para mulheres – e homens também – de lugares distantes como China, Mongólia, Nigéria, Dubai, Canadá, EUA, Brasil ou Rússia.

Garrafa de vinho Mateus Rosé

A frescura num cantil

Diz-se que foi a frescura que levou Mateus Rosé para todos os cantos deste planeta. Mas a garrafa, inspirada no cantil dos soldados da I Guerra Mundial, teve certamente o seu peso. Não há como negar – na hora de escolher o vinho nas prateleiras do supermercado, toda a gente repara no balão achatado de vidro e acha piada ao objeto. Desde 1942, data em que Fernando van Zeller Guedes criou a marca, a garrafa passou por duas mudanças. A primeira, em 2016, alterou a cor de verde escuro para transparente. No ano passado, houve outra alteração para torná-la mais alta, elegante e com as curvas ainda mais ondulantes.

Desodorizante Lander

Frasquinho de vidro como um perfume

Até parecia que, nos anos 1970-1980, não havia outro desodorizante.  Haver, havia, mas nenhum era tão original na embalagem como a Lander. Um frasco de vidro canelado, uma tampa metálica e uma barra de desodorizante que se empurrava na base à medida que se gastava. Era esse o kit completo que toda a gente tinha em casa e as mulheres também na mala. Musk, Clorofila e Bouquet foram os perfumes mais populares. A Sagilda, fundada em 1955, nas Caldas da Rainha, é a empresa que, além de sabonetes líquidos e de glicerina, ainda hoje produz o desodorizante, usando a mesmíssima embalagem.

Salazar

Ir ao fundo do tacho

A espátula de cozinha não é uma criação portuguesa. A sua origem também não é muito clara, sendo atribuída a três homens. O primeiro é um médico romano, de nome Galen, que, no século 2, forjou um utensílio para misturar preparados medicinais. O segundo é o húngaro Horace Spatula que, em 1798, construiu o mata-moscas. E o terceiro é John Spatula, radicado nos EUA, que, na década de 1890, terá criado o utensílio por ter uma mão aleijada. Quem quer que seja, pouco importa. Foi em Portugal que a espátula de cozinha ganhou status ao ser batizada de Salazar. O motivo é óbvio. Este é o único utensílio que rapa o fundo dos tachos e das tijelas sem desperdiçar um niquinho sequer. Tal como Oliveira Salazar, o lendário avarento que governou o país por 40 anos, apregoando as virtudes da humildade, da poupança e da modéstia.

Se gostaste deste artigo, também vais gostar deste: «Cada objeto banal tem um inventor genial».

 

Crédito (motorizada Famel): Cjp24 – CC BY-SA 4.0